CUIDADOS PALIATIVOS EM CÃES E GATOS EM FASE TERMINAL

Antigamente a ciência acreditava que os animais não sentiam dor. Porém, estudos demonstraram que a fisiologia dos animais é bem parecida com a fisiologia do ser humano. Portanto podemos supor que o que dói em nós dói nos animais. Embora ainda não se possa afirmar isso de forma categórica. Mas sim, os animais sentem dor de maneira semelhante ao ser humano.

A dor é considerada o quinto sinal vital. A dor aguda é um sintoma, ou seja, alguma doença leva a sentir dor. Porém, quando a dor aguda não é tratada de forma correta, ela pode se tornar crônica. Neste caso a dor se torna a própria doença. E até o momento presente, não existe remédio que elimine a dor crônica de maneira eficaz.

Como disse nosso querido Dalai Lama: “A dor é inevitável, porém o sofrimento é opcional”. O objetivo deste artigo é trazer as informações necessárias para ajudar na sua conduta para evitar que o sofrimento cause malefícios na vida dos nossos pets. Justamente por essa consciência, a medicina veterinária vem avançando cada vez mais para aplicar novas tecnologias de “Cuidados Paliativos Em Cães E Gatos em Fase Terminal”, com o objetivo de diminuir o sofrimento e aumentar a qualidade de vida do pet, em seus últimos dias ou meses de vida.

 

O que são cuidados paliativos?

Existe cada vez mais estudo sobre a identificação, alivio e prevenção da dor em felinos e caninos de estimação. Porém, os tratamentos de dor ainda são inadequados em todas as áreas medicas, inclusive na medicina veterinária.

Poucos são os profissionais que tem o conhecimento dos mecanismos que provocam a dor e sobre as técnicas mais eficazes de tratamento para o controle de um quadro doloso.

Já se sabe que as consequências da dor vão além do aspecto físico, elas também afetam o sistema emocional dos animais. Como cães e gatos não sabem lidar com o estresse que a dor acarreta, o nível de cortisol (hormônio do estresse) aumenta e eles acabam apresentando mudanças de comportamentos que afetam negativamente a recuperação ou o alívio do problema que estão passando.

Portanto fica evidente que quanto mais cedo é iniciado o tratamento, maior será o benefício dos resultados que os tratamentos e terapias podem proporcionar para o bem estar destes animais.

Os cuidados paliativos nada mais são que atuar com compaixão pelo animal e também pelo seu dono, que estão sofrendo naquele momento, em busca de uma atenção humanizada que permite ao doente maior conforto e a melhor qualidade de vida possível.

 

CUIDADOS PALIATIVOS EM CÃES E GATOS COM DOENÇAS GRAVES

Os cuidados paliativos são usados quando o animal for diagnosticado com alguma doença crônica, degenerativa ou incurável – considerando as seguintes questões para cada animal:

  • Físicas– os sintomas físicos mais comuns são perda de apetite, náuseas, insuficiência respiratória, fadiga e dor. Muitos desses sintomas podem ser controlados por medicamentos ou por meio de outras técnicas, como a fisioterapia, radioterapia, passe espiritual, reiki, terapia nutricional.
  • Emocionais – O médico veterinário especialista pode fornecer recursos para ajudar o animal debilitado e seu tutor a lidarem com as emoções que vem com o diagnóstico negativo. Ansiedade, medo e depressão são os sentimentos que mais afetam o ser humano quando alguém muito amado está passando por um problema de saúde, mesmo que esse alguém seja um animal de estimação. Portanto o profissional responsável pelo caso pode recomendar soluções que ajudem o tutor a lidar melhor com o momento de conflito. Em alguns casos é necessário até encaminhar a pessoa para tratamento psicológico.
  • Espirituais– Quando um diagnóstico é revelado, os tutores do animal ficam perdidos e se aprofundam mais no sentido das suas vidas. Alguns que nem acreditam em tratamentos naturais como o passe espiritual, por exemplo, acabam aceitando esse método de tratamento com a esperança de que esse “algo sobrenatural” proporcione a ele e seu peludo um conforto. O especialista em cuidados paliativos pode ajudar as pessoas a explorarem suas crenças e valores, fazendo com que alguns questionem a sua fé e outros se recolham a ela para que possam encontrar um sentimento de paz.

 

O tratamento de cuidados paliativos em cães e gatos sem cura, infelizmente, ainda é raramente disponibilizado em clinicas veterinárias, talvez pela falta de conscientização de alguns humanos ou mesmo pelos custos e disponibilidade financeira dos tutores de animais. Entretanto os animais estão sendo cada vez mais considerados como seres importantes na vida de seus tutores e isso reflete na disponibilidade e fazerem tudo o que estiver ao seu alcance para ter a companhia do seu peludo por mais tempo.

Afinal de contas, não é à toa que o cachorro é considerado o melhor amigo do homem.

Dr. Rodrigo Luiz Marucio : Especialista em Anestesiologia Veterinária, Mestrado Faculdade de Medicina, UNESP- Botucatu e Doutorado na USP- SP

Deixe uma resposta