Coragem

Por diversas vezes somos tentados a abandonar algo que gostamos, a fazer algo contra nossa vontade, a abdicar de algum plano ou projeto. Porém, quando utilizamos a coragem, uma das virtudes mais bonitas e importantes do Ser Humano, temos condições de manter nossa posição e seguir nosso caminho. A coragem, muitas vezes confundida com bravura, é muito mais que ter a disposição para a luta e para o embate, já que estes são apenas aspectos físicos. É, em seu mais profundo conceito, ser destemido, não ter medo, ou melhor, não deixar que o medo nos impeça de realizar algo que queremos ou nos faça recuar frente a uma vontade.

O medo, grande opressor, força motriz desencadeante ou inibidora da ação, vem causar inevitavelmente, insatisfação e infelicidade. Tais medos podem se revelar de diversas formas, explícitas ou veladas, mas sempre com impacto no plano psicológico, tornando o homem cada vez mais frágil e susceptível a outros medos, cada vez com mais freqüência e intensidade. E para pôr fim a este ciclo vicioso a coragem é imprescindível. A quebra do ciclo do medo através de um ato de coragem pode não tornar um homem corajoso, mas é o caminho para sua elevação.

Agora você pode estar perguntando: não tenho medo de uma briga ou de quem quer que seja. Então sou corajoso? E eu lhe respondo que até o mais forte dos homens tem seus medos interiores, dificilmente revelados. Tolo é aquele que não reconhece que seu maior rival é ele mesmo! Ser corajoso é superar seus medos, seus preconceitos e sua vaidade.

De forma natural o homem humilde mostra o seu lado corajoso quando prova que não tem medo de parecer menos que outros e não tenta mostrar aquilo que não é.

Por outro lado, o homem vaidoso é quase um covarde, que necessita mostrar o que não é por medo de retaliações e discriminações, que muitas vezes são apenas fantasmas existentes somente em seus próprios pensamentos, se escondendo atrás de mentiras e situações fabricadas.

Todos os Grandes Sábios da Humanidade foram extremamente corajosos. Veja o exemplo de Sidarta Ghautama (Buda), que não teve medo da discriminação da família rica e poderosa, quando abdicou de todos os meios materiais para buscar sua evolução espiritual, visando atingir a humanidade através de auto-reflexões; Francisco de Assis que decidiu não ter nada porque nada realmente lhe pertencia, sendo sempre criticado pela Igreja da época por não concordar com a ostentação dos bens materiais pelos líderes da época; Mahatma Ghandi, que mesmo usando apenas uma túnica branca, em meio à grande confusão política da Índia e num momento de iminente guerra civil, colocou suas posições de paz de forma firme e decidida contra todos os poderosos daquele momento. Lembre-se que em meio à grande pressão que, por um lado Roma exercia sobre aqueles que ousassem atentar contra o poder político e, por outro lado os fariseus que pressionavam para manter o poder religioso daquele povo totalmente subjugado, Jesus de Nazaré veio trazer palavras de libertação moral, de amparo e alento, não temendo em momento algum que algo de mal lhe acontecesse. Tantos outros poderíamos citar, pois todos aqueles que com desprendimento dos bens materiais, da vaidade e do egoísmo, lutaram por algo, foram corajosos e bravos. Corajosos por firmarem suas posições, independentemente do que os outros iriam pensar e bravos por não temerem, nem mesmo por sua vida material.

Todas as vezes que nos despojamos dessas vaidades, e pensamos, falamos e agimos sem reservas ou medos, usando verdadeiramente o coração, nos aproximamos dos exemplos dos Grandes Mestres, nos tornando corajosos. Há que ter coragem para oferecer a face direita quando alguém nos acertar a esquerda. Há que ser despojado de vaidade para mostrar aos outros como realmente somos e, quando nos revelamos aos outros, nos revelamos a nós mesmos, sem o véu da mentira ou da hipocrisia. E neste momento de sublime coragem, ao enfrentar aquele que aparece diante do espelho da alma, aquele que realmente reconhecemos como nosso verdadeiro EU, é que podemos ter a convicção que estamos aprendendo algo neste mundo e que estamos no belo caminho de Elevação Espiritual.

 

Coragem!  Sucesso!

Texto de Márcio Martins Moreira

 

Deixe uma resposta