Todos os posts de Marcio Martins Moreira

Sobre Marcio Martins Moreira

Nascido em 1971, São Paulo, conclui o curso de Bacharelado em Ciências Contábeis durante meus trabalhos numa Multinacional da área textil, onde trabalhava como Analista de Sistemas e Métodos. Conclui o curso de pós-graduado em Análise de Sistemas pela FECAP/SP e, profissionalmente, desenvolvi muitos trabalhos na área de O&M, Planejamento e Tecnologia em Empresas Multi-nacionais, buscando sempre soluções na área corporativa centrada em pessoas. Faixa Preta em Artes Marciais (Kung-fu), tinha como outros hobbies a música, o xadrez e a filatelia. Em 1996, tive a honra de desposar a mais especial das mulheres, minha amada esposa Luzia Contim. E com toda esta história, no ano 2000 iniciou-se a grande mudança profissional em minha vida (coincidindo com o fim do milênio?), aumentando o interesse em filosofia e no estudo da estrutura do pensamento do Ser Humano. Nesta mesma época, a iniciação em diversas filosofias, incluindo o Reiki (hoje Mestre-Orientador pela Reiki Association International) e o estudo da Maçonaria, transformaram minha vida. Na Maçonaria, tive a honra e o privilégio de presidir 04 Lojas, ocupando praticamente todos os cargos possíveis, atingindo o mais alto grau do REAA (33o Grau) e presidindo o mais Alto Corpo Filosófico. Os estudos em Programação Neuro-Linguistica e Hipnose Ericksoniana, juntamente com minha formação em Psicanálise deram suporte à minha carreira de palestrante. E entre tantas novidades, Oratória e Teatro foram fundamentais para a melhoria na apresentação e na comunicabilidade. Hoje, master/trainer em PNL, escritor, psicanalista e professor de hipnose, dirijo o Instituto Mentes Mudando o Mundo, mantenho atendimentos de coaching individual utilizando os recursos adquiridos com psicanálise, hipnose e principalmente PNL. Quanto à carreira literária, estou em meu terceiro livro, expondo os temas que desenvolvo nos eventos como treinador e palestrante, tendo entre os temas, Desenvolvimento Pessoal, Motivação e Autoconhecimento, onde milhares de pessoas já participaram e que agora fazem parte da minha maravilhosa rede de amigos.

Palestra: PNL na Umbanda

A PNL, Programação Neurolinguistica, pode ajudar o umbandista a entender o processo de transformação que ocorre frente a um Guia, a entender a estrutura do raciocínio do Guia e sua forma de pensar. Então, pode-se dizer que A PNL pode ajudar no crescimento espiritual, no aprendizado na Umbanda e, principalmente, no CONHECE-TE A TI MESMO.

Mas como? Imagine se melhorarmos ainda mais nossa percepção, ouvindo “de verdade” as mensagens de nossos Guias, sentindo “de verdade” as sensações e vendo “o oculto” daquilo que é mostrado? Certamente, descobriremos dentro de nós e com o auxílio de nossos mentores, um mundo muito mais amplo, belo e rico do que jamais ousaríamos ter sonhado.

Palestra: Mude e Prospere

Clientes indo embora? Crise? Negócios diminuindo? Momento difícil? Quer mais e não consegue?  Entender “de verdade” as mudanças e torná-las oportunidades! Como fazer isso?

As coisas estão ruins? ESTÃO RUINS MESMO? ENTÃO MUDE!  Se você não está mudando, ou não está tão ruim ou você não está enxergando direito a realidade.

Seja no campo pessoal, na empresa ou nos relacionamentos, mudanças sempre irão acontecer, pois estão sempre em evolução. A questão é “como você se comporta frente a estas mudanças?”

Se o relacionamento mudou, como você se comporta? Se os negócios estão difíceis, quais ações você está tomando? E você, para onde está indo a sua vida?

Não adianta reclamar das mudanças e muito menos se culpar por algo, afinal, CULPA nunca serviu para nada. O que importa é ENXERGAR a realidade, CRIAR suas estratégias e FAZER!

Esta palestra GRATUITA do awakener Márcio Martins Moreira é uma dose motivacional para buscar seus objetivos e mudar aquilo que precisa ser mudado. Pense em você e Participe!

Comece vindo a esta palestra e abra caminho para a sua prosperidade e de sua empresa.

Palestra: AMOR e Prosperidade!

Qual a ligação entre AMOR e Prosperidade? Qual é a estrutura da Prosperidade?
Se AMAR, que é um verbo, é um comportamento que pode ser aprendido e desenvolvido, prosperar também pode. Então basta aprender/desenvolver que a prosperidade acontece.
Quer ser próspero? Venha ver como num ambiente super interessante, atraente e amoroso.

De que adiantaria ser altamente próspero sem amor? E amar sem se sentir próspero pessoalmente? Aliás, é possível uma coisa sem a outra?
Estudos comprovam que pessoas que declaram amar têm a prosperidade quase que automática na vida. Essa prosperidade pode se traduzir em dinheiro, bens e conforto material, mas será que estamos falando somente disso? Qual a amplitude de sua visão neste mundo material? Quais as diferenças de prosperidade e amor nos campos pessoal, profissional e nos relacionamentos? Você é o mesmo em todos eles?
Esta palestra GRATUITA do awakener Márcio Martins Moreira é uma profunda reflexão sobre a prosperidade e o amor em sua vida. Pense em você e Participe!

Método dos 5 porquê

O método 5 porquê é uma das mais simples e efetivas metodologias usadas para se chegar a causa primeira de um problema. Amplamente usado na indústria e em empresas de serviços, é uma ferramenta muito ligada à gestão da qualidade total e à melhoria contínua.

O segredo do método 5 porquê está exatamente em sua praticidade e efetividade. O que deve ser feito ao se deparar com um problema ou inconformidade é se perguntar porque aquilo ocorreu e, em seguida, se perguntar de novo em relação a resposta dada e assim por diante até se chegar ao quinto porquê.

Criado pelo famoso engenheiro Taiichi Ohno, considerado um dos principais responsáveis pela criação da Metodologia Toyota de Produção, o método 5 porquê tem um objetivo claro: determinar a causa raiz de um problema.

Os porquês do método 5 porquê

Vamos começar com a definição de causa raiz: É a causa primeira, aquela que, lá atrás, deu origem ao problema. Com essa sequência de 5 perguntas procurando o porquê de algo, Ohno conseguiu que as pessoas fugissem de um comportamento muito comum e difícil de erradicar no ser humano: confundir a causa de um problema com uma característica dele ou um sintoma.

Por exemplo: Digamos que você vai usar seu carro pela manhã e ao tentar dar a partida descobre que o carro está com defeito, ele não liga. Ao se perguntar por qual motivo ele não liga, descobre que a bateria está descarrega. Chega então a conclusão de que o carro está com defeito porque a bateria está descarregada.

Mas não! Na verdade, o fato da bateria estar descarregada não é a causa do defeito, é parte dele! É preciso descobrir porque a bateria descarregou. E assim sucessivamente até se chegar a causa raiz. A bateria pode estar descarregada porque você esqueceu os faróis ligados ao chegar em casa na noite anterior, ou por um defeito de fabricação da bateria, ou algo mais difícil de detectar, como um erro no software do carro ou mesmo devido a um curto circuito leve, causado por algum fio que está entrando em contato com outro.

Imagine que você simplesmente troque a bateria e, no dia seguinte, o carro não funcione novamente. Se você tivesse continuado a sequência de perguntas até o quinto porquê, talvez tivesse descoberto que a bateria descarregou, vamos dizer, pelo defeito no software do carro, então teria levado ao mecânico, que teria se perguntado porque o software estava com defeito e o reinstalado corretamente.

Em seguida, ele deveria reportar à fábrica, que descobriria se aquele software específico instalado no seu carro estava programado erroneamente (e porque passou despercebido pelo controle de qualidade) ou se na verdade todos os softwares instalados vão apresentar este mesmo defeito mais cedo ou mais tarde e é preciso fazer um recall nos automóveis desta fábrica.

Caramba! Como foi longe está história do método 5 porquês!

Outro exemplo, um pouco mais “doméstico”:

Imagine que em sua casa, a luz não está acendendo em determinado cômodo.

Você pode ser perguntar: Por que a luz não acende? A resposta é obvia, deve estar queimada.

Você verifica a lâmpada e descobre que realmente está queimada, mas por que a lâmpada queimou?

Ao verificar a caixa de luz, descobre que o disjuntor referente aquele cômodo está “desarmado”. Você conclui que quando isso aconteceu, mesmo assim a lâmpada queimou antes dele desarmar.

Você poderia simplesmente religá-lo, mas se pergunta: Por que o disjuntor foi desarmado?

Normalmente isso acontece quando a uma oscilação de energia, além da capacidade do disjuntor.

Mas por que houve essa sobrecarga de energia?

Você volta ao cômodo e nota que há vários aparelhos ligados em uma mesma tomada, por meio de um adaptador, o que gerou uma sobrecarga naquele circuito.

Mas por que colocaram tantos aparelhos na mesma tomada?

Por fim, você descobre que uma outra tomada daquele cômodo, antes usada para ligar um dos parelhos à rede elétrica está bloqueada por uma mudança no layout da mobília.

Se no início dessa conversa alguém dissesse que a luz do cômodo não ascendia porque mudaram um móvel de lugar, você consideraria uma resposta adequada? Possivelmente não, por isso os método dos 5 porquês é tão usado.

Veja a sequência de “porquês” usados até se descobrir a verdadeira causa do problema que se queria resolver:

Por que a luz não acende?
Por que a lâmpada queimou?
Por que o disjuntor foi desarmado?
Por que houve essa sobrecarga de energia?
Porque colocaram tantos aparelhos na mesma tomada?

Por que 5 porquês?

Essa é uma boa pergunta. Por que não 4 ou 6? Na verdade, depois de usar o método muitas vezes, Ohno chegou à conclusão que 5 era o número médio de vezes em que era suficiente para se chegar a causa raiz do problema. Podem ser necessários, às vezes, 4 porquês e, em outros casos, mais deles. Mas o ideal é chegar a 5.

Apesar de antiga, a metodologia dos 5 porquê pode trazer respostas importantes durante o redesenho de processos e início das soluções de problemas.